quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

Maria, Maria...que venha 2012.

"Mas é preciso ter manha,é preciso ter graça,é preciso ter sonho sempre! Quem traz na pele essa marca possui a estranha mania de ter fé na vida...." Feliz 2012 pessoal! Um ano cheio de força, fé, raça e sonhos, sonhos, muitos sonhos...Sempre!


sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

"(...) O que chega a doer, tamanha a indignação que causa, é essa determinação tão certa, absoluta, do lugar da mulher na sociedade. Estamos tão submersos nessa compreensão torta de mundo e de vida, tão vendados, que é quase improvável perceber o quanto a lógica dominante nos afeta nas mínimas práticas, nos nossos sentimentos, até no que acabamos por entender por felicidade e realização. Não tenho dúvidas de que essas trabalhadoras encontram suas satisfações servindo à família. Não me atrevo a questionar a certeza da não marginalização e a segurança que mulheres vítimas de violência doméstica devem carregar ao não abandonar o lar, com seus filhos por criar (o lar que, segundo dados recentes, ainda é objeto de posse dos maridos agressores). Essa definição do papel feminino, tão irracionalmente absorvida, é a principal responsável por usurpar de tantas mulheres a chance de construção de um pensamento novo, de politização. Quem pode questionar a ordem se desdobrando entre conquistar o pão dos filhos e seus cuidados?

Pesquisando um pouco mais, me deparo com falas de mulheres que se envolveram com o tráfico no intuito de dar sustento aos filhos, abandonadas que já foram pelos companheiros. Dando um passeio despretensioso no centro comercial da cidade, é impossível não notar como as mulheres dominam os setores de empregabilidade informal, ganhando salários irrisórios. Tomando um ônibus, não consigo deixar de pensar que logo estarei fazendo parte de um diálogo político, com homens e mulheres, planejando o que fazer do futuro, lendo um livro, repensando o mundo e a mim mesma. Mas nesse mesmo ônibus, disputo apertadamente espaço com outras mulheres, tão diferentes de mim, cansadas e de olheiras alarmantes, marcadas pela jornada diária dividida entre trabalho, filhos e marido, prontas para mais uma rotina de trabalho, despreocupadas com maquiagem e saltos altos. Às vezes feridas na pele, pelo homem que amam, outras vezes, feridas na alma, pela vida. Todas, sem perspectivas de emancipação efetiva."


quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

Coração do meu Brasil.





" (...) Segundo o último censo do IBGE-2010, a população brasileira é de mais de 190 milhões (190.755.799). Deste total, 43,1% se declarou preta (82.215.750) e 7,6% parda (14.497.441). Somados, chegamos a quase 97 milhões de brasileiros.http://www.brasildefato.com.br/content/brasil-hist%C3%B3ria-e-consci%C3%AAncia-negra

Se mais da metade da população é preta ou parda, como podem nos passar a imagem de que no Brasil a maioria das pessoas é de pele branca, que a NOSSA história é construída só, somente só por gente branca? As novelas mostram uma maioria branca, as escolas e as universidades possuem uma maioria branca, os vendedores de lojas com grandes e até pequenas marcas são brancos, e os locais de trabalho uma maioria branca, o centro da cidade, os hospitais, os prédios de luxo, os espaços culturais etc etc etc...Que Brasil generoso, cordial, com zero de preconceito é esse o qual deixa a maioria em detrimento da minoria, o qual abafa e sufoca a sua realidade, o qual exclui, oprimi, deixa sem empregos, sem escola de qualidade, sem oportunidade, sem acesso??? E depois ainda dizem que o brasileiro é pacífico e de paz e se são pacíficos e de paz é por não terem nada a reclamar, pois tudo está belo e maravilhoso.
   Mais um Natal está por chegar, mais um ano novo está para começar. Mas de poucas pessoas essas festas serão mais um momento de comemoração e felicidade, reunião familiar, troca de presentes e mesa farta...


Obs: As fotos 1 e 2 são de Dilvandro Mendonça. A 3º anonima.

quinta-feira, 10 de novembro de 2011

                                                                . (cena do beijo de Capitu e Bentinho)


"Eterno é tudo aquilo que dura uma fração de segundo, mas com tamanha intensidade, que se petrifica, e nenhuma força jamais o resgata...". Saber compreender um olhar vale mais que mil explicações.

quinta-feira, 27 de outubro de 2011

Senhas.


Eu não gosto do bom gosto
Eu não gosto de bom senso
Eu não gosto dos bons modos
Não gosto 
Eu aguento até rigores
Eu não tenho pena dos traídos
Eu hospedo infratores e banidos
Eu respeito conveniências
Eu não ligo pra conchavos
Eu suporto aparências
Eu não gosto de maus tratos
Mas o que eu não gosto é do bom gosto
Eu não gosto de bom senso
Eu não gosto dos bons modos
Não gosto
Eu aguento até os modernos
E seus segundos cadernos
Eu aguento até os caretas
E suas verdades perfeitas
O que eu não gosto é do bom gosto
Eu não gosto de bom senso
Eu não gosto dos bons modos
Não gosto
Eu aguento até os estetas
Eu não julgo competência
Eu não ligo pra etiqueta
Eu aplaudo rebeldias
Eu respeito tiranias
E compreendo piedades
Eu não condeno mentiras
Eu não condeno vaidades
O que eu não gosto é do bom gosto
Eu não gosto de bom senso
Não, não gosto dos bons modos
Não gosto
Eu gosto dos que têm fome
Dos que morrem de vontade
Dos que secam de desejo
Dos que ardem 
Eu gosto dos que têm fome
E morrem de vontade
Dos que secam de desejo
Dos que ardem 





Adriana Calcanhotto.

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

quarta-feira, 12 de outubro de 2011

Parece que eu vou mergulhar na felicidade sem fim.



Da sacada da minha casa eu posso ver e rever tantas mil coisas. Ela traz uma magia recheada de lembranças e histórias magnificas que eu vivi ou presenciei, além de ser uma grande libertadora da minha imaginação para o futuro. É só parar e contemplar por alguns instantes essa visão,  que vez ou outra ainda se torna mais entorpecente e arrebatadora  pelo aparecimento do luar, fico até arrepiada. Pareço estar andando na montanha russa . Nós todos sabemos que é só as nossas retinas captarem as melhores imagens que começamos a pensar na vida e em tudo já ocorrido, naquelas situações mais extasiantes já vividas ou nas mais tristes e igualmente inesquecíveis. E se formos nos atentar são as imagens mais simples as que mais elevam o nosso ser, ou melhor é sempre na simplicidade que vamos buscar o descanso de todas as horas, o aconchego para o desassossego. ("Tudo que parece meio bobo é sempre muito bonito, porque não tem complicação."). Tantas histórias, assim, nos fazem mergulhar na felicidade de viver e saber o quão importante são aqueles momentos difíceis, tristes, eloquentes e  felizes. Pois esse é o grande da vida, sentir-se real dentro desse mundo onde há acontecimentos inimagináveis e terrivelmente cruéis, são as situações que nos formarão como pessoas, de cada uma é de onde sairá nosso amadurecimento. Então, meus caros, devemos ser intensos.
 No fim, queremos mesmo aquele abraço acolhedor, aquela pessoa amada, o sorriso sincero, as histórias mais lindas para contar,  as imagens mais lindas para se contemplar...

sexta-feira, 26 de agosto de 2011





"Me dá um beijo então
Aperta a minha mão
Tolice é viver a vida
Assim, sem aventura



Deixa ser pelo coração
Se é loucura então...
Melhor não ter razão..."




domingo, 14 de agosto de 2011



"Laço de fita amarela na ponta da vela no meio do mar"

Flor de Lis






Valei-me Deus
é o fim do nosso amor
Perdoa por favor
eu sei que o erro aconteceu
Mas não sei o que
fez tudo mudar de vez
Onde foi que eu errei
Eu só sei que amei, que amei, que amei, que amei
Será, talvez
que minha ilusão
Foi dar meu coração
com toda força pra essa moça
me fazer feliz
E o destino não quis
Me ver como raiz
de uma flor de lis
E foi assim que eu vi
nosso amor na poeira, poeira
Morto na beleza fria de Maria
E o meu jardim da vida ressecou, morreu
Do pé que brotou Maria
Nem margarida nasceu



Djvan

quinta-feira, 4 de agosto de 2011

São Paulo 1984.


VINTE ANOS DEPOIS DA RECONQUISTA DO BRASIL.

  O último presidente da ditadura militar, o general Figueiredo, deixa o governo aos civis.
  Quando lhe perguntaram o que faria se fosse um operário que ganha salário mínimo, o general Figueiredo respondeu:
  - Daria um tiro na cabeça.
     O Brasil padece prosperidade famélica. Entre os países que vendem alimentos ao mundo, aparece em quarto lugar. Entre os países que sofrem fome no mundo, aparece em sexto. Agora o Brasil exporta armas e automóveis além do café, e produz mais aço que a França; mas os brasileiros medem menos e pesam menos que há vinte anos.
    Milhões de crianças sem teto perambulam pelas ruas de São Paulo e das demais cidades, caçando comida. Os edifícios se transformam em fortalezas, os porteiros viram guardas armados. Todo cidadão é assaltado ou assaltante.

(371)
     
um texto do livro de Eduardo Galeano.  



terça-feira, 2 de agosto de 2011

Minha Vida.



"Tem lugares que me lembram
Minha vida, por onde andei
As histórias, os caminhos
O destino que eu mudei...

Cenas do meu filme
Em branco e preto
Que o vento levou
E o tempo traz..."

domingo, 31 de julho de 2011

Nova Iorque 1930



VIDA COTIDIANA DA CRISE.

Com maus modos, às bofetadas, a crise desperta os norte-americanos. A catástrofe da Bolsa de Valores de Nova York rompeu o Grande Sonho, que prometia encher todos os bolsos de dinheiro, todos os céus de aviões, todas as terras de automóveis e arranha-céus.

Não há quem venda otimismo no mercado. A moda se entristece. Caras compridas, roupas compridas,cabelos compridos: acabaram-se os enlouquecidos anos vinte e com eles acabaram as pernas à vista  e o cabelo curto das mulheres.

Verticalmente desce o consumo de tudo. Só aumentam as vendas de cigarro, horóscopos e lâmpadas de vinte e cinco velas que dão luz mortiças mas gastam pouco. Hollywood prepara filmes sobre gigantescos monstros desatados, king kong, Frankestein, inexplicáveis como a economia, irrefreáveis como a crise, que semeiam o terror nas ruas das cidades.

(15 e 331- Memórias de fogo, E. Galeano) 

texto retirado do livro de Eduardo Galeano.
página 131.








segunda-feira, 18 de julho de 2011

Luiza.




Lua,
Espada nua
Boia no céu imensa e amarela
Tão redonda a lua
Como flutua
Vem navegando o azul do firmamento
E no silêncio lento
Um trovador, cheio de estrelas
Escuta agora a canção que eu fiz
Pra te esquecer Luiza
Eu sou apenas um pobre amador
Apaixonado
Um aprendiz do teu amor
Acorda amor
Que eu sei que embaixo desta neve mora um coração

Vem cá, Luiza
Me dá tua mão
O teu desejo é sempre o meu desejo
Vem, me exorciza
Dá-me tua boca
E a rosa louca
Vem me dar um beijo
E um raio de sol
Nos teus cabelos
Como um brilhante que partindo a luz
Explode em sete cores
Revelando então os sete mil amores
Que eu guardei somente pra te dar Luiza
Luiza
Luiza



Ana Carolina

Composição: Antônio Carlos Jobim

domingo, 3 de julho de 2011

O passado no presente e no futuro.

Algumas histórias marcam sua vida. Temos uma linha tênue entre o que pode existir e o que não pode ou entre o que poderia ter acontecido e o que aconteceu. A diferença está na atitude, alguns tomaram a decisão de tornar determinados momentos ou coisas em realidade. Somos feitos de fatos, somos o que somos a partir do que vivemos, e isso não vai mudar nunca. Acho que a lembrança, no final das contas, acaba se tornando o detalhe mais interessante e mais importante do ser humano. Como esquecer nossas histórias se a vida , as nossas  vidas são verdadeiros longas-metragens formados pelo encadeamento de cenas onde horas fazem sentido horas não.
Muitas decisões moldam nossas vidas, metade delas serão aquelas tomadas com consciência a outra metade não. Riscos? A gente continuamente corre riscos, e esse é o detalhe que deixa emocionante as mil-e-uma-histórias. Sabem...tem outro detalhe, viver é bom, porém viver sendo o  ator principal é muito melhor. Então, vamos aproveitar, pois tudo só nos acontece “daquele jeitinho especial” uma vez, infelizmente ou felizmente. Se arrepender? Jamais diga isso, meu caro. Na verdade tudo é história, histórias que depois servem para serem lembradas e contadas.


“(...) E quem não tivesse força de ter prazer, que antes cobrisse cada nervo com uma película protetora, com uma película de morte para poder tolerar o grande da vida.” 

                                                     ( Fotografia:  Filipe P Neto - Olhares.com)



                                                                                                                                 


                                                                                                                            Stephanie Vieira Brito.

segunda-feira, 27 de junho de 2011

Respingos do cotidiano: Origem.


Ninguém nasce odiando outra pessoa pela cor de sua pele ou por sua origem, ou sua religião. Para odiar, as pessoas precisam aprender. E se podem aprender a odiar, podem ser ensinadas a amar, pois o amor chega mais naturalmente ao coração humano do que o seu oposto.A bondade humana é uma chama que pode ser oculta, jamais extinta.”


(Nelson Mandela)


sábado, 18 de junho de 2011

Respingos do cotidiano: Mudança.


PhaniEmfrissom.

É importante lembrarmos que é sempre tempo de mudança. As portas se abrem quando somos estimulados e encorajados a lutarmos pelo que sonhamos ver de forma concreta dentro da sociedade. Precisamos  por mais em prática o que acreditamos e não deixá-los apenas no plano das idéias.E aceitar transformações  quando necessário,pois  há sempre tempo de se reconstruir,mas uma reconstrução para a evolução do próprio ser.
Se analisarmos, deixamos de tentar mudar a história não por medo de transgredir as regras e sim pelo pavor que temos da mudança, dos prováveis  “dedos apontados na cara”,pelas críticas ferinas e ferrenhas que poderão ser feitas.Um outro motivo para essa assustadora inércia social seria o surgimento de uma sociedade preguiçosa e acomodada que construímos e continuam a serem construídas .
 Mudar requer tempo, maturidade e cuidado com a mente humana, pois temos a possibilidade de pensar em transformações tanto para fazer o bem como o mal e para tais decisões um fator muito importante é a vivência, viver e retirar as próprias conclusões diante dos fatos. Por isso busque,cresça e veja com os olhos  da re.alidade,re.novação,re.construção.


         
                                                                              StephanieVB

sábado, 11 de junho de 2011

Liberta-te ou te devoro.


Belém,11 de junho de 2011.


Para ler ouvindo: Mistérios da meia-noite,Zé Ramálho.


De: phaniEmfrisson
Para: Ivone


Então, Maria, liberdade é isso mesmo... Isso de sempre viver doce, pura, vigorosa, vorazmente. Isso de aceitar tudo o que vem d’alma, do coração, da vida. Deve-se pensar que qualquer atitude tomada implica em consequências boas ou ruins, depende do ponto de vista dos que viveram nessa história. Viver livremente é embalar-se pela melodia e deixar fluir, e prestar atenção se a fluidez não irá afetar os que te rodeiam. Vive bem, vive livre aquele que se responsabiliza por qualquer atitude tomada, e que pensa constantemente em não ceifar a liberdade alheia...
Não, não... Pensando bem, Maria, tudo o que havia dito ontem não significa liberdade, significa apenas “escolhas”. Escolhe-se ser feliz, escolhe-se magoar alguém, escolhe-se partir e deixar histórias para trás, escolhe-se sorrir, escolhe-se chorar.  Não somos livres de fato, viver e pensar se determinada ação prejudicaria ou não outrem não é ser livre, não acha? E só o ato de ter que  fazer escolhas de certa forma já esconde uma certa obrigação.
Vejo, então, que estamos presos em nossas próprias vontades, em nossas pequenas celas que vamos construindo ao longo da vida. Talvez liberdade mesmo, meeeesmo não exista, existe apenas o bem viver, e por mim tudo bem se me prendo aos afetos, aos sabores, as rotinas - mesmo algumas vezes achando que não possuo rotina alguma -, somente me proponho a viver e continuar pensando nesses mistérios da meia-noite que voam longe.

 Uma deliciosa manhã e um grande abraço.                         

                                
                                   StephanieVB.  
                                                                                                                    

domingo, 15 de maio de 2011







Morte ou Vida
Do Maldito Poeta
Amador que ama com dor
Dor de não ver sua musa
As horas passam
A dor de quem ama aumenta
Amas amar alguem com dor?
A dor de quem ama é sofrida
Mas o Amador
Irá superar sua dor
Somente vendo seu lindo amor!

Jorge Quaresma.

quinta-feira, 28 de abril de 2011

A intolerância e a incompreensão.



...mas não há nada maior que a força de vontade!


precisamos respeitar as diferenças,compreender o próximo para,assim,construirmos um mundo melhor e igualmente confortável a todos.

sábado, 9 de abril de 2011

                                            photography:DayvisMalta.



De phaniEmFrisson.
Para: AnaBelaVidaParaVidaPelaVida.

Hóspede.
A vida é apenas uma passagem na qual encontramos lugares para descanso. No outro dia é preciso seguir, sem olhar o passado com mágoas e sem fazer daquelas antigas alegrias a eternidade.
Continuar é preciso. Impossível, ou melhor, inadmissível é deixar padecer a alma, calar um amor. O ser humano precisa entender que o sentimento, o emocional está intrínseco a ele e com isso deixar sucumbir, deixar levar. Deixa! Deixa, pois é de nossa natureza. Nós somos natureza.
Evitar algumas situações que se deve ter ou ser, é ir de encontro com o vento, mares e morros. A força do homem seja bruta ou racional, quando ele não se vê como parte da natureza, não é superior a esse conjunto das forças que obram o Universo, as árvores, os rios , os milhares de grãos de areias quando unidos. Pois a força destes são muito mais reais e verdadeiras, nunca voltam atrás. A não ser quando o homem e a mulher se entregam de corpo e alma e se façam parte da sinergia que envolve todas as galáxias.
Natureza-homem-natural entregue-se, vá fundo nas emoções, sinta sua pele, músculos e neurônios conectados com seu eu. Sinta-se natureza-natural. Somos  “unisó”.
                                                              
                                                                         StephanieV.B

as estrelas que bailam.

                                       Nayara e Lara (fazem parte da seleção brasileira de n.s.)


talvez eu não saiba explicar muito bem a forma contagiante do corpo de se expressar,a gente fala por cada detalhe que há na em nós. Na verdade dizemos muito mais com o corpo do que com as palavras,dizemos sem querer dizer.Mas antes de notar esses pequenos pensamentos saidos diretamente,de repente,de um olhar,um,abraço,um gesto,um movimento no outro,é preciso se conhecer,olhar mais,muito,muito mais para si sendo muito sincero e verdadeiro.Pois existe um real fato:Só podemos falar ,perceber e se por no lugar do outro se conseguimos entender quem somos...conseguiu isso?Então aproveita a beleza existente na sutileza dos detalhes,tudo fica mais bonito,bonito e breve...

                                                
                                   









                                                                                              StephanieV.B.

terça-feira, 29 de março de 2011

cabeça para.


Mundo de cabeça para baixo,
salto para o abismo,cismo
e vou e me acho...
Sem nada entender,
tudo muda e me prendo a você...
De olhos bem abertos,
pulo nua,deixo-me levar...
O que é amar?
Cega rota,porta aberta,
jogo-me inteira,sou toda
alma e sangue,calma entrega,
encontro de flor,amor,
cuida de mim,solte meus balões,
fale-me de canções...
Gosto tanto de emoções...
Destino traçado,amado sentido
em minha vida,ferida cicatrizada,
você me deixa atrevida...
Abra os braços,receba-me,
beba-me,abraços de luz,
nada mais a dizer...
Você me seduz (...)



Karla Bardanza

domingo, 13 de fevereiro de 2011

Part-ida.




Parte que fica
 e outra que vai.
Que deixa lembraças
E outra que se esvai.
Que demora na calçada da espera.
Que deixa seus rastros ao olhar para trás
Que  resolve muitos problemas
Que liberta
Que carrega
Que te mostra.
Parte para ser outro
Idas que lapidam e deixam como ouro
Partidas ,infinitas pela vida...
          

                                                                   StephanieV.B.

domingo, 6 de fevereiro de 2011

"encaro o sol,deixo meu rastro para trás"





                                                                              Belém,06 de fevereiro de 2011

 De:PhanieEmFrisson.
 Para:  Férias doce férias.

Acabou,mas bebi da água da fonte já entupida de desejos meus.Quero um sapato pra dizer que me pertence,quero um dia todo meu.

quinta-feira, 3 de fevereiro de 2011

All you need is love.♫


     Para ler ouvindo : (sem música)                                                                                   

                                                                                          .Belém,03 de fevereiro de 2011.
De: PhaniEmFrisson
Para: A sociedade.
Brutalidade, tirania e muita selvageria.Essses são atos característicos da violência.Não entendo  essa sede do ser humano de tentar resolver as situações do cotidiano sempre de maneira a agredir ,seja física ou psicologicamente, o outro ou então a si próprio.
Nunca tentamos nos colocar no mundo do próximo,ou no mundo do nosso eu.Nunca nos propormos a entrar em lugar nenhuma que não seja palpável,tangível.Temos pressa pra tudo,e entrar  em um universo diferente do superficial requer tempo,cautela .Temos pressa,somos famintos.Logo usamos a violência pra tudo.Lógico,essa é a lei do menor  esforço,a qual muito nos agrada,pelo visto.Claro que não somos ,de todo,culpados.Sofremos influencias externas,o mundo respira até o seu último poro a pressa,a velocidade. É tudo igual ao filme:”Mais velozes,mais furiosos”.E o tempo?Esse,realmente,não para,aliás é o único que passa sem ficar mais velho .
Ligo a tv e fico chocada com a revolta do Cairo (Egito).A destruição toma conta da cidade e ninguém toma conta dos destruidores –sendo estes,tanto as centenas de pessoas reunidas no centro da capital do Egito,como o próprio presidente Mubarak- .Entro na internet ,vejo notícias sobre os torcedores corintianos quebrando os carros de seus “amados-ídolos” e pinchando os muros.Tudo isso por um jogo perdido.E os valores da humanidade tragada de ódio,por onde eu os encontro?
Tem tantos outros motivos que,ao meu ver,são mais importantes de se lutar .Sem dor,sem rancor.
Precisamos entender que quanto mais tentamos resolver os problemas do nosso cotidiano a base de conversas,eu,você,a sociedade tentando se colocar do outro lado do muro,seja o o alheio ou  seus próprios muros ,sendo mais flexíveis e tolerantes,  não haverá necessidade de derramamento de um gota de sangue que corre pelo corpo,e nem da destruição das almas.
“Quando tudo for pedra,atire a primeira flor.”
Um carinhoso abraço,

                                                                                                         .StephanieV.B.



notinha: agora ouça "all you need is love",The Beatles.

segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

Metade.




Que a força do medo que tenho
Não me impeça de ver o que anseio;
Que a morte de tudo em que acredito
Não me tape os ouvidos e a boca;
Porque metade de mim é o que eu grito,
Mas a outra metade é silêncio...

Que a música que eu ouço ao longe
Seja linda, ainda que tristeza;
Que a mulher que eu amo seja pra sempre amada
Mesmo que distante;
Porque metade de mim é partida
Mas a outra metade é saudade...

Que as palavras que eu falo
Não sejam ouvidas como prece
E nem repetidas com fervor,
Apenas respeitadas como a única coisa que resta
A um homem inundado de sentimentos;
Porque metade de mim é o que ouço
Mas a outra metade é o que calo...

Que essa minha vontade de ir embora
Se transforme na calma e na paz que eu mereço;
E que essa tensão que me corrói por dentro
Seja um dia recompensada;
Porque metade de mim é o que penso
Mas a outra metade é um vulcão...

Que o medo da solidão se afaste
E que o convívio comigo mesmo
Se torne ao menos suportável;
Que o espelho reflita em meu rosto
Um doce sorriso que me lembro ter dado na infância;
Porque metade de mim é a lembrança do que fui,
A outra metade eu não sei...

Que não seja preciso mais do que uma simples alegria
para me fazer aquietar o espírito
E que o teu silêncio me fale cada vez mais;
Porque metade de mim é abrigo
Mas a outra metade é cansaço...

Que a arte nos aponte uma resposta
Mesmo que ela não saiba
E que ninguém a tente complicar
Porque é preciso simplicidade para faze-la florescer;
Porque metade de mim é platéia
E a outra metade é canção...

E que a minha loucura seja perdoada
Porque metade de mim é amor
E a outra metade... também.

(Oswaldo Montenegro)

domingo, 23 de janeiro de 2011

Contudo,seguir.



Para ler ouvindo:Metade,Adriana Calcanhotto.


De:PhaniEmFrissom
Para: O Amar.go

Eu ando pelo mundo,pelo meu mundo prestando atenção em tudo e a cada dia sei que é uma etapa vencida,sempre agradeço a Deus,quer dizer eu acho que agradeço, já não sei do que fiz,faço,do que sei,ainda me sinto meio perdida,sem chão.A dor de ver um sonho destruído é indescritível,inexplicável,é tão dura,doída,tão realista.Parece mesmo que alguém passou com um trator bem em cima da sua felicidade,ai então o corpo sentiu,a mente sentiu,tudo padeceu.
Onde foi exatamente que falhei?Queria poder voltar e ver o lugar exato que comecei a fazer o trajeto errado.Eu corri tanto,lutei pra alcançar o objetivo nunca encarado como um bicho de sete cabeças,sempre me achei capaz,todos nós somos capazes, “onde foi exatamente que larguei o leão que sempre cavalguei?”.O que foi que aconteceu,meu Deus?Tá tudo vagando,como sinto vontade de gritaaaaaaaaaaaaaaaaaar,chorar,chorar,chorando,gritando.Ainda tenho muita dor em mim,quero tanto que os dias passem e com eles levassem esse peso-amar.go,sei que vai passar,vai passar,já tá passando.Tenho só que esperar um pouco mais...
Mas apesar,dos pesares vou continuar a correr atrás,vou recomeçar,sem medo.Ainda tenho muita fé... a minha vida não vai parar de rolar nem de seguir,nossas vidas não vão parar. Lembro de uma pessoa tão doce ter falado pra mim que nós podemos,devemos sonhar,pois sonhar é muito bom,mas que tenhamos a capacidade de torná-los em objetivos a serem conquistados.E isso é,de fato,real.Apenas sonhar não “enche barriga” de ninguém,apenas chorar-lamentar-lastimar,também NÂO.Viva,cresça,busque,sofra,amadureça,mas no dia seguinte erga a cabeça,afinal como disse um amigo:”O mundo é igual sutiã grande,tem que ter muito peito pra usar.”
God bless silent pain and happiness.
Um maravilhoso abraço,
                                               StephanieV.B.

terça-feira, 18 de janeiro de 2011

Trilhas e trilhas e sonoras


Para ler ouvindo :Vamos fugir, Skank.

De:PhaniEmFrisson
Para: Meus amigos queridos.
Belém, 18  de janeiro de 2011
Minha trilha agora é trilha.Acordei com uma vontade  extra de viajar “Qualquer outro lugar ao sol,outro lugar ao sul,céu azul, Céu azul”,quero conhecer pessoas novas,saber de coisas novas,quero sentir na pele,no corpo,na mente a adrenalina de momentos com pitadas de loucuras e divertimento,algo que toque na alma,pra no dia seguinte eu dizer: Valeu a pena.Quero praia,sol,calor.Quero montanhas,cachoeiras,tirolesas.Quero noite,luar,fogueira,amigos.
Seja lá a trilha que for essencialmente,profundamente a vontade de viver está me chamando,me enfeitiçando e viajar é a melhor forma de gozar a vida e uma das experiências mais enriquecedoras que existem, elas abrem a sua imaginação e enfeitam sua vida com todos os aprendizados ao longo do percurso da viagem, além de nos tornar uma pessoa mais tolerante com o diferente. Quando aquele grande amigo viaja e passa uma longa temporada fora,ao voltar logo podemos notar a mudança,sei lá,qualquer mudança:forma de falar,a antiga mania de mexer nos cabelos,a forma de vestir,comer.Se todo dia mudamos imagine alguém que viajou e provou o-diferente-do-diferente.É magnifico,é deslumbrante.
Infelizmente nem todo mundo possui a oportunidade de viajar e quando a ilustríssima aparece são vários os problemas que enfrentamos.Aqui no Brasil as estradas esburacadas,a problemática nos aeroportos,a “careza” dos hotéis,restaurantes,pontos turísticos nos deixam logo entristecidos.Isso é Brasil.Mas como sozinha não posso fazer nada,e já que mal podemos conhecer nosso próprio país,topo em fazer uma trilha só de praia,só de rio,só de mato,pode ser de canoa,a pé,de jegue,com o índio,o mulato,o ribeirinho e qualquer um outro que faça minha vida,o meu dia,o meu mundo MAIOR-e-pequeno-ao-mesmo-tempo.Vamos fugir,pra outro lugar,baby?
Um delicioso abraço
                            
                                                   StephanieV.B

Bon appétit


De: PhaniEmFrisson
Para: Você.

Belém,18 de janeiro de 2011.


“A felicidade pinga em doses homeopáticas,mas com a força e o veneno de um terrível antibiótico”
De repente me encontro feliz,ex-tre-ma-men-te-fe-liz!Fazia tempo que eu planejava criar um blog pra descrever,citar,mostrar,quem sabe até ensinar algo sobre a vida,porém tanto adiei que o tempo passou e a vontade foi embora como quem vai...mas volta.E voltou.E essa é a motivação de agora eu estar embevecida,sabe quando os seus olhos ficam brilhando e sua alma saltitando?Bom,espero criar nesse espaço,que é muito meu e muito de vocês,as sensações mais maravilhosas.Quero viver,ver,rever,milver,transver cada detalhe da vida e compartilhá-la,vou curtir muito tudo isso aqui,assim espero.

Um beijo e carinhoso abraço.